Moto Dica Pilotagem, motocicletas e afins

2ago/110

Recall Yamaha Fazer 250 2006-2008 e Fazer Limited Edition 2008

Posted by Rafael Sahb

Em cima: região a ser observada. No meio: detalhe da balança que necessita recall. Embaixo: Detalhe da balança nova, indicando que foi substituída pelo recall de 2010.

Por mais que uma fábrica se esforce para divulgar suas campanhas de recall, é comum muitos usuários não tomarem conhecimento. Em 2009 e 2010, a Yamaha fez 2 recalls para a Fazer 250 modelos de 2006 a 2008 e a Fazer 250 Limited Edition modelo 2008, referentes a problemas na suspensão traseira.

Caso você seja o único dono de um dos modelos citados acima, provavelmente saberá se fez um ou ambos os recalls. Porém, quem comprou uma Fazer usada, precisa se certificar que as duas manutenções foram feitas em sua moto. Ficar sem realizá-las pode levar a acidentes graves.

O melhor meio de descobrir se sua moto passou pelos 2 recalls é levando-a a uma concessionária Yamaha para verificarem se as correções foram executadas, pois a Yamaha mantém um histórico dos números de chassi que ja fizeram os recalls. No entanto, é possível definir visualmente se o segundo recall foi feito. Como neste segundo recall há a troca da balança traseira, se observarmos a última das marcas da balança para regulagem da tensão da corrente de transmissão, notaremos que ela é em forma de L nas versões atualizadas. Para o recall de 2009 (o primeiro) há relatos de que adicionam um ponto no final do número do chassi, mas isso não foi observado em todas as motos que passaram pelo serviço.

Uma informação importante é que, como todo recall, não há gasto algum para o proprietário. Por isso, uma moto sem as correções não necessariamente vale menos.

Para checar o número do chassi das motos que necessitam fazer o recall e para maiores informações, pode-se acessar os anúncios oficiais no site da Yamaha.

26fev/110

Suspensões Mono-Amortecidas (monoshock com link ou braço-relé)

Posted by Rafael Sahb

Em A: local onde fica a suspensão em sistemas mono-amortecidos

A suspensão traseira é um item que influencia bastante na manobrabilidade da moto. Nesse aspecto, as do tipo Mono-shock (ou mono-amortecida), se destacam, pois possuem vantagens sobre o modelo de braço oscilante com duplo amortecimento. Porém, apesar das diferenças visuais serem bem perceptíveis, o grande público não sabe o nome destes 2 tipos de suspensão (os mais comuns no mercado brasileiro) nem tem conhecimento das reais vantagens das mono-shock.

Motos Street de 125/150cc, como as Honda CG ou Yamaha YBR  não costumam vir com esse tipo de suspensão (elas vem com o modelo de braço oscilante com duplo amortecimento), deixando as mono-shock para os modelos mais caros (e mais potentes) ou para os modelos trail ou cross, como a Honda Bros 150 e Yamaha XTZ 125, que por serem desta categoria, necessitam deste sistema mais robusto.

Modelo de suspensão de braço osclilante de duplo amortecimento

Modelo de suspensão de braço osclilante de duplo amortecimento

As suspensões mono-shock eliminam o torque entre o garfo traseiro (ou balança) e a suspensão, possibilitando uma manobrabilidade e frenagem mais consistentes. O fato de elas possuírem apenas uma mola, permite uma regulagem de pré-carga mais fácil, pois não é necessário se preocupar em realizar regulagens idênticas em 2 molas distintas.

O modelo mais difundido no Brasil de suspensões mono-shock são as que usam uma peça chamada de link ( ou braço-relé; algumas pessoas se referem a essa peça por jumelo), que une garfo traseiro à suspensão. O emprego desse link possibilita uma rigidez da suspensão mais progressiva, sendo macia no começo e mais dura a medida que vai se chegando ao final do seu curso. Com isso, as irregularidades da estrada são bastante atenuadas, tornando a pilotagem ainda mais confortável e segura. A explicação técnica de porque o link melhora o amortecimento na suspensão mono-amortecida foge do escopo deste post, pois envolve conhecimentos avançados de mecânica.

Em A: parafuso que prende o link ao garfo. Em B: parafuso que prende o link à suspensão

Em A: parafuso que prende o link ao garfo. Em B: parafuso que prende o link à suspensão

A título de comparação, há um modelo de suspensão sem o link que é chamada pelos fabricantes de Active Monocross e compõe os modelos nacionais como a Honda CB300R, Honda Bros e Yamaha XTZ 125.

Uma informação interessante é que a Honda se refere às suspensões mono-amortecidas com link pelo nome de Pro-Link. A Yamaha (a primeira marca a empregar esse tipo de suspensão com uma mola apenas), as chama de Monocross atualmente. Na Kawasaki (a fabricante que introduziu o uso do link), o modelo se chama Uni-Track. Em um post futuro, iremos contar a história das suspensões mono-amortecidas.

Não era nossa intenção esgotar o assunto, muito menos explicar os fundamentos físicos que envolvem a dinâmica das suspensões mono-amortecidas. Esperamos, com esse post, dar uma visão geral sobre este tipo de suspensão, e possibilitar ao leitor mais embasamento na hora de pesar esse fator na compra da sua motocicleta. Em posts futuros, entraremos mais em detalhes das partes técnicas das suspensões.

   

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.